A história da Quinta do Infantado é já longa, desde a sua criação em 1816. Estabelecida para o Infante D. Pedro, futuro Rei D. Pedro IV de Portugal e D. Pedro I do Brasil, está na posse da família Roseira há mais de um século. Localiza-se a cerca de 4km do Pinhão, no terroir único do Vale de Gontelho, micro região desde há muito famosa pela qualidade dos seus vinhos.
Ao longo de seis gerações os “Roseira” de Covas do Douro vivem com paixão e entusiasmo uma vida de de vinhas e vinhos.
As duas primeiras gerações apenas cultivavam as vinhas. Com a compra da Quinta do Infantado, João Lopes Roseira inciou a produção de vinho generoso.
Em 1979 os seus filhos Luís e António, baseando-se nos conceitos terroir e vigneron, começaram a engarrafar os Vinhos do Porto de sua produção, concretizando o sonho da família. Com esta inovação a Quinta do Infantado tornou-se o primeiro produtor engarrafador de Vinho do Porto, quebrando, assim, o monopólio dos negociantes de Vila Nova de Gaia.
Após a morte de ambos, os seus herdeiros continuam na procura da máxima qualidade e mantêm o rumo de inovar na tradição.

Cronologia

Cronologia

Primeiro Porto Colheita: 1977

Depois dos três primeiros anos, quentes e efervescentes, do post-25 de Abril, e já com o primeiro governo constitucional chefiado por Mário Soares em funções, o Douro vive um dos grandes anos vitícolas do século XX: 1997. A Quinta do Infantado vende a granel uma quantidade bem inferior ao habitual, guardando nas suas caves centenárias um boa parte do que viria a constituir o primeiro Porto Colheita e mais velho vinho de um só ano da casa: Quinta do Infantado Colheita 1977 Reserva da Família.

Primeiro Porto Vintage: 1978

Em 1978 Luis Roseira faz uma viagem pela Europa dos vinhos (Bordeaux, Valée de la Loire, Languedoc-Roussillon e Toscana) para visitar pequenos vignerons de forma a ganhar conhecimentos da atividade e dos seus desafios. Os acontecimentos precipitam-se em plena vindima de 1978 quando Luís Roseira e Bruce Guimaraens têm uma violenta discussão na adega da Quinta do Infantado. Como consequência a família Roseira deixa de vender a sua produção à casa Fonseca Guimaraens. É o big bang da Quinta do Infantado como produtor engarrafador. O Quinta do Infantado Porto Vintage 1978 é o primeiro vintage de um lavrador do Douro!

Cronologia

1977: Primeiro Porto Colheita

Três anos, quentes e efervescentes, após o 25 de Abril, e já com o primeiro governo constitucional chefiado por Mário Soares em funções, o Douro vive um dos grandes anos vitivinícolas do século XX: 1997. A Quinta do Infantado vende a granel uma quantidade bem inferior ao habitual, guardando nas suas caves centenárias um boa parte do que viria a constituir o primeiro Porto Colheita de lavrador engarrafado na quinta e o mais velho vinho de um só ano da casa: Quinta do Infantado Colheita 1977 Reserva da Família.

1978: Primeiro Porto Vintage

Em Julho de 1978, Luis Roseira viaja por Bordeaux, la Loire, Languedoc e Toscana visitando pequenos vignerons para preparar o lançamento dos primeiros vinhos da Quinta do Infantado. Tudo se precipita na vindima de 1978 quando Luís e Bruce Guimaraens têm uma violenta discussão na Quinta do Infantado. Consequência, a família Roseira deixa de vender a sua produção à casa Fonseca Guimaraens. É o big bang da Quinta do Infantado e nasce o primeiro vintage de um lavrador do Douro engarrafado na quinta, o Quinta do Infantado Porto Vintage 1978!

1979: início do engarrafamento na Quinta

Durante o primeiro semestre de 1979 a azáfama é muito grande: registo da marca Quinta do Infantado, inscrição no IVP, elaboração dos primeiros lotes com António Dias Teixeira, criação da imagem com mestre Amândio Silva, primeiros textos com António Barreto. Em Julho engarrafam-se na quinta os três primeiros Portos Quinta do Infantado: Ruby, Tawny e 20 anos. Até 1986 apenas foi possível a comercialização em Portugal.

1991: comemoração dos 175 anos

Na vindima de 1991 elaborou-se um Vinho do Porto especial 100% Touriga Nacional, para ser o vinho comemorativo dos 175 anos da Quinta do Infantado. Passados 2 anos, em 1993, no Solar do Vinho do Porto foi apresentado o Quinta do Infantado Porto Vintage 1991 TN (Touriga Nacional).

1996: Luis Soares Duarte

>No Verão de 1996 o enólogo Luis Soares Duarte iniciou a colaboração, que ainda se mantêm, com a Quinta do Infantado. Foi mais um passo na carreira do Luis que começou na Casa do Douro com Eduardo Abade e Luis Sampaio. O Porto Vintage 1995, lançado no ano seguinte, marca a primeira estapa de uma longa maratona de excelentes Portos e Douros com a sua assinatura ao longo de mais de 20 anos.

2001: primeiro tinto Douro DOC da Quinta do Infantado

Depois das experiências em 1994, 1997 e 1999, 2001 é o ano do primeiro tinto Douro DOC da Quinta do Infantado. Feito em lagar com pisa a pé, leveduras autóctones e estágio em barricas de carvalho francês foi bem recebido pela crítica e clientes.

2008: Roseira e Quinta do Infantado tinto biológico

Neste ano invulgarmente fresco na Quinta do Infantado Douro, foram lançados dois novos tintos Douro DOC. O Roseira, um vinho feito de Touriga Nacional e Touriga Franca, tem notas florais, o sol do Douro e é muito fácil de beber. Já o Quinta do Infantado tinto biológico fruto da vinha do Pousado com exposição norte, pouco xisto e solos mais profundos, mostra uma frescura assinalável e uma maior acidez natural.

2015: Álvaro Roseira

Nascido e criado em Covas do Douro, Álvaro Roseira, neto de Luís Roseira, tem uma longa experiência de viticultura e enologia. Para o primeiro elemento da sexta geração a trabalhar na empresa familiar, o bichinho das vinhas e dos vinhos começou, claro, crescendo na Quinta do Infantado. Depois de um estágio inicial na Niepoort, trabalhou em vários produtores durienses, e fez uma vindima na África do Sul. Em Julho de 2015 o Álvaro retornou a casa, integrando a equipe da Quinta do Infantado no Douro.

2016: 200 anos de Infantado

Comemoram-se duzentos anos da criação da Quinta do Intando: 1816 a 2016. Não é para todos! Um brinde ao Douro, aos Durienses e à família Roseira com o Quinta do Infantado Porto Vintage 2016.

2017: Porto Vintage excecional!

O ano de 2017, excecionalmente seco, produziu uvas de enorme qualidade no Vale de Gontelho. Nas vinhas velhas foram vindimadas com maturação perfeita, dando origem ao Quinta do Infantado Porto Vintage 2017. “The 2017 Vintage Porto is a field blend from old vines coming in at just 52 grams of residual sugar, meaning that it is very dry—in fact, well out of the norm and about as low as I've seen. A step up on the 2016, this shows more intensity, more depth and more flavor. It is still lighter styled in the context of the vintage, but it has serious structure.” (91-93/100) in Robert Parker’s Wine Advocate

EQUIPA

Quem é quem na Quinta do Infantado

António Guimarães
António GuimarãesPresidente
Convidado para o cargo de Presidente do Conselho de Gerência da Quinta do Infantado pelos dois sócios fundadores, Luis e António Roseira, António lidera a empresa desde 1996.
Paula Roseira
Paula RoseiraDirectora Comercial
Viúva do fundador, Luis Roseira, Paula é sócia Gerente e a Diretora Comercial desde 1996.
João Roseira
João RoseiraDiretor de Produção
João fez a sua primeira vindima na Quinta do Infantado aos 6 anos. Desde então, não falhou uma, em 2019 serão 50 vindimas. Recorda o engarrafmento inaugural em Julho de 1979 onde fez de tudo: engarrafou, arrolhou, lacrou, rotulou, encaixotou… os três primeiros Portos “engarrafados na quinta”: os Quinta do Infantado Ruby, Tawny e 20 Anos. Vive em Covas do Douro desde 1987.
Álvaro Roseira
Álvaro RoseiraÉnologo
Nascido e criado no Douro, Álvaro tem uma vasta experiência em viticultura e vinificação. É claro, tudo começou sendo criança na Quinta do Infantado. Durante a universidade, fez um estágio de vindima na Niepoort … e a partir de então … trabalhou para vários produtores (incluindo uma vindima na África do Sul). Voltou a casa, à Quinta do Infantado, em Julho de 2015.
José Carlos Oliveira
José Carlos OliveiraViticultura
José Carlos começou a trabalhar em 1986 na Quinta do Noval com Cristiano van Zeller. Desde então, acumulou uma larga experiência na viticultura, principalmente no Douro mas também no Távora-Varosa (onde faz parte do painel de prova da respetiva CVR), Dão e Alentejo. Colabora com a Quinta do Infantado desde 2002.
Luís Soares Duarte
Luís Soares DuarteÉnologo Consultor
Luis Soares Duarte faz parte duma família importante na história duriense, o seu tio-avô Antão de Carvalho foi um dos “paladinos” do Douro. A sua primeira vindima foi em 1989 em Vila Nova de Foz Côa. Não parou mais. Faz parte da equipe da Quinta do Infantado desde 1996. Enólogo do ano de Vinhos Generosos em 2001.
Pedro Duarte
Pedro DuarteMarketeer
Pedro Duarte está na Quinta do Infantado desde 2018.
António João Carvalho
António João CarvalhoChefe de campo
A família Carvalho está ligada à Quinta do Infantado há muitos anos. Depois de seu pai, sua mãe, e irmão Zé, António João está na quinta desde 1989.
Manuela Lima
Manuela LimaAdministrativa
Manuela nasceu no Pinhão mas viveu em Bruxelas até aos 20 anos. Depois de uma larga carreira na Quinta de la Rosa, entrou na Quinta do Infantado em 2018.
Equipa Douro
Equipa DouroVinha e engarrafamento
Emosira Carvalho, Fátima Relvas, Fátima Oliveira e Teresa Machado. Alexandre Relvas e Manuel Júlio Soares.
Equipa Porto
Equipa PortoEscritório e expedições
Célia Santos, Filomena Cunha e Sofia Magalhães trabalham no escritório do Porto, nas áreas comercial, exportação e administrativa. Laura Pereira colabora na logística.

FAMÍLIA ROSEIRA

As Gerações dos Roseiras de Covas do Douro

António Rodrigues Roseira
António Rodrigues Roseira 1783 -1867
1ª geração. Apenas lavradores, venda das uvas.
Umbelina Lopes
Umbelina Lopes1790-1877
1ª geração
Luís Rodrigues Lopes Roseira
Luís Rodrigues Lopes Roseira 1816 - 1896
2ª geração. Nesta geração mantêm-se lavradores, vendendo as uvas.
Ludovina Costa Ribeiro
Ludovina Costa Ribeiro 1852-1926
2ª geração
João Lopes Roseira
João Lopes Roseira1883 - 1940
3ª geração. Com a compra da Quinta do Infantado, João Lopes Roseira passa de lavrador a produtor de vinhos finos. O segundo passo na evolução da família Roseira no negócio dos vinhos.
Margarida Alice Osório da Silva
Margarida Alice Osório da Silva1889 - 1984
3ª geração. Após a morte do marido em 1940, Margarida teve a força e a coragem de seguir com a Quinta do Infantado, no período muito difícil desda 2ª Grande Guerra até aos anos 60. aumentando ainda a área de vinha.
João da Silva Lopes Roseira
João da Silva Lopes Roseira 1920 - 1998
4ª geração. O filho mais velho de João e Margarida, engenheiro agrónomo e especialista na área do tomate. Liderou durante anos a fábrica mais inovadora em Portugal na produção de concentrado de tomate, a SIC na Azinhaga do Ribatejo. Casado com Maria Luísa Gonçalves, sem filhos.
Luis da Silva Lopes Roseira
Luis da Silva Lopes Roseira 1924 - 2015
4ª geração. Luis viveu entre a medicina, a política e o Douro, com tudo o “a realidade mais séria de Portugal” (como escreveu Torga) engloba: as gentes, tradições, território e vinhos. O grande impulsionador da Quinta do Infantado enquanto vigneron, reuniu os esforços da família e um conjunto de profissionais (da enologia ao marketing) para iniciar, em 1979, o engarrafamento dos própios vinhos na quinta.
António da Silva Lopes Roseira
António da Silva Lopes Roseira 1925 - 2011
4ª geração. António, engenheiro eletrotécnico, autor de livros escolares e professor, começou a ocupar-se da Quinta do Infantado quando a mãe Margarida já não conseguia “tomar conta de tudo”. Com o irmão Luis, está na origem dos primeiros engarrafamentos de Vinho do Porto na quinta, em 1979.
João Luís da Silva Araújo Roseira
João Luís da Silva Araújo Roseira 1955 -
5ª geração
Pedro António da Silva Araújo Roseira
Pedro António da Silva Araújo Roseira 1956
5ª geração
José Alexandre da Silva Araújo Roseira
José Alexandre da Silva Araújo Roseira 1957 - 2015
5ª geração. Zé Alexandre voltou para Covas do Douro em 1978 (onde tinha vivido os primeiros anos da sua vida) e foi importante no início da atividade de produtor-engarrafador da Quinta do Infantado.
Catarina Luís Gali Roseira
Catarina Luís Gali Roseira 1977
5ª geração
Margarida Beatriz de Almeida Roseira
Margarida Beatriz de Almeida Roseira 1963
5ª geração
João Henrique de Almeida Roseira
João Henrique de Almeida Roseira 1964
5ª geração. Trabalha na Quinta do Infantado.
Maria Catarina de Almeida Roseira
Maria Catarina de Almeida Roseira 1965
5ª geração. Catarina foi entre 1990 e 1999 diretora geral da Quinta do Infantado, cargo que deixou para se dedicar, profissionalmente, exclusivamente à carreira universitária.
Bárbara Alexandra Rodrigues Roseira
Bárbara Alexandra Rodrigues Roseira 1978
5ª geração
Álvaro Alberto Pereira Araújo Roseira
Álvaro Alberto Pereira Araújo Roseira 1981
6ª geração. Trabalha na Quinta do Infantado.